Grupo inaugura salão da poesia em Itabaiana

sarau-1

Jessier Quirino prestigiou a abertura da “Taberna” do Sarau das Almas

No último sábado, 26 de novembro, o grupo de artistas do “Sarau das Almas”, ligados à Sociedade Amigos da Rainha do Vale do Paraíba, inaugurou a “Taberna”, salão de eventos que passa a funcionar com recitais, apresentações musicais e outras atividades artísticas, além de serviço de bar em Itabaiana.

A ideia de criar a “Taberna” foi concebida pela poeta Renaly Almeida, os atores Edglês Gonçalves e Fred Borges e o músico Rosival, quando eles atuavam em bares da cidade, “dando testemunho do amor e dedicação à arte e levando poesia e música para todos”. Com o objetivo de manter aceso o gosto pelas letras e artes e estimular os jovens a conhecer a poesia na terra de Zé da Luz, o grupo inaugura o salão “Taberna”, espaço reformado de antigo moinho. “É a a realização de um sonho. Obrigada a todos que ajudaram nessa construção e que nos deram o prazer de suas presenças conosco, obrigada a Deus por nos mostrar que é possível, por nos unir como um coletivo de amigos que se tornaram irmãos, e que nos dá a certeza de que podemos seguir realizando sonhos. O espaço agora está aberto a todos aqueles que querem e amam fazer cultura”, disse Renaly Oliveira, da Academia de Cordel do Vale do Paraíba.

No evento, esteve o poeta Jessier Quirino e outros artistas locais que acompanharam as recitações, declamaram poemas, cantaram e tocaram seus instrumentos.

Secretário de Cultura da Paraíba promete pagar dívida do FIC e critica Governo Federal por exigir Imposto de Renda dos artistas

fabio-academia-23-11-16

Da esquerda para a direita: Poeta Sander Lee, da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, Lau Siqueira e o repórter Fábio Mozart, da Tribuna do Vale

Em entrevista exclusiva para o blog do Ponto de Cultura Cantiga de Ninar, Tribuna do Vale e Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, o poeta Lau Siqueira, Secretário de Cultura da Paraíba, informou que está acionando a Justiça para contestar a exigência do Governo Federal de cobrar imposto de renda dos proponentes dos projetos aprovados no Fundo de Incentivo à Cultura Augusto dos Anjos (FIC). “Estamos judicializando porque entendo que o dinheiro não é do proponente, ele apenas repassa para artistas e fornecedores do seu projeto e não deve pagar 25,5% de imposto de renda, como está exigindo o Governo”, disse Lau.

Ainda sobre o FIC, Lau Siqueira disse que fez opção de pagar as parcelas devidas, mesmo que a custo alto diante das dificuldades em que vive o país. “É preciso que se compreenda que um projeto de memória em São João do Rio do Peixe, por exemplo, é importante para a comunidade e para a Paraíba, mesmo que invisível para alguns segmentos da cultura, mas lá na ponta está acontecendo”, disse ele. “Temos que pagar os projetos, com atraso, mas preciso honrar os contratos e, acima de tudo, buscar a mudança da lei do FIC”, acrescentou Lau, informando que já foi encaminhado à Assembleia Legislativa o projeto que reestrutura o FIC, criando um fundo real para que sejam lançados editais com dinheiro em caixa, porque, atualmente o FIC conta apenas com fundos orçamentários que devem ser captados após o lançamento do edital, com muita dificuldade.

Sobre a renúncia do Ministro da Cultura e posse de Roberto Freire, Lau Siqueira foi contundente: “Roberto Freire é um desastre no Ministério e Calero só foi coerente na saída, quando não aceitou a negociata com Gedell Vieira, mas não esperamos nada desse Governo, muito menos a implantação do Sistema Nacional de Cultura”, afirmou. Para ele, o movimento cultural deve caminhar com suas próprias pernas, como sempre fez. “Precisamos manter as articulações da cultura diante dessa cruzada conservadora que acha que cultura é mais do que supérfluo, inclusive estão criminalizando artistas que fazem uso da Lei Rounet, passando a ideia de que as leis de incentivo são formas do governo sustentar ‘vagabundos’, mas cultura sempre foi uma forma de resistência e saberemos superar essa crise”, finalizou.

 

 

 

Prefeitura de Itabaiana doa prédio público para associação cultural que repudia “comentários maldosos”

nota-de-esclarecimento

Em sessão no dia 22 de novembro, a Câmara Municipal de Itabaiana aprovou projeto de lei oriundo do Poder Executivo que autoriza a doação do prédio nº 2 da rua Antonio Ananias para instalação da sede da Associação Memória Viva. A doação, ao apagar das luzes da gestão do prefeito Antonio Carlos Melo Júnior, fomentou comentários negativos por parte de algumas pessoas, “inclusive ativistas culturais”, conforme nota divulgada pela Associação.

Esclarecendo o fato, Margaret Bandeira, da diretoria da Associação Memória Viva, comunicou que o referido Projeto de Lei restringe o uso do imóvel à implantação do memorial dentro do prazo de 2 (dois) anos e, caso isso não seja cumprido, o prédio será revertido ao patrimônio do município. Outro item preceitua que o prédio só poderá ser vendido com a autorização prévia da Câmara de Vereadores.

“Para dirimir quaisquer dúvidas, os interessados na verdade ou os espalhadores de mentiras encontrarão o Projeto de Lei com os vereadores, a quem, obviamente, o documento foi enviado”, afirma a nota da Memória Viva.

A Associação Cultural Memória Viva existe em Itabaiana desde 2010. É uma associação sem fins lucrativos e não recebe nenhuma verba, seja municipal, estadual ou federal, nem contribuição dos seus sócios. Com diretoria legalmente constituída, tem seus estatutos e documentos registrados em cartório e inscrição na Receita Federal. A sua atividade principal é o resgate e preservação da memória e história itabaianense e o seu objetivo principal é a implantação do memorial da cidade.

Academia de Cordel estuda implantação do projeto Trem da Poesia

poema-andarilha-camila-sennaAndar de trem é fantasia de muita gente, principalmente das gerações que testemunharam os trens cruzando o Brasil. E com acesso à música e poesia, é o que acena o projeto “Trem da poesia”, promoção da Academia de Cordel do Vale do Paraíba em parceria com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos em João Pessoa (PB). O Trem da Poesia é um projeto que está sendo formatado e negociado com a CBTU para levar passageiros no percurso João Pessoa/Cabedelo/Santa Rita em domingos e feriados, em dois carros de passageiro ultra modernos, os VLT (veículo leve sobre trilho), na companhia de monitores e poetas que vão animando o passeio com declamações e cantorias.

O projeto contempla ainda visitas monitoradas a equipamentos históricos como a fortaleza de Santa Catarina, em Cabedelo. Thiago Alves, diretor da Academia de Cordel, informou que já foram iniciadas as negociações com a CBTU para dar partida ao projeto no início de 2017. “Será um passeio recomendado e destinado para todas as idades, mas vamos priorizar a faixa da chamada ‘melhor idade’, com atendimento a grupos fechados”, disse ele.

Pró-reitoria da UEPB propõe parceria com Academia de Cordel para intercâmbio cultural

benjamim

Fábio Mozart, ativista cultural de Itabaiana, com o professor Benjamim

O professor José Benjamim Pereira Filho, Pró-reitor adjunto de cultura da Universidade Estadual da Paraíba, assinalou para a possibilidade de intercâmbio cultural com organizações não governamentais de cultura da cidade de Itabaiana, notadamente a Academia de Cordel do Vale do Paraíba. O convite chegou à Academia através do folclorista, geógrafo e professor mestre Agnaldo Barbosa, mentor do Grupo de Tradições Populares Acauã da Serra.

No dia 4 de dezembro, a Academia de Cordel e outras entidades culturais de Itabaiana estarão reunidos para definir metas para 2017, em planejamento estratégico no Fórum Permanente de Artistas e Produtores Culturais de Itabaiana, momento em que os projetos que contarão com o apoio da UEPB serão discutidos.

Para Agnaldo Barbosa, que é itabaianense, o intercâmbio será muito produtivo, “haja vista nosso interesse comum, já que o professor Benjamim também é itabaianense e tem o maor respeito e admiração pelo trabalho que fazem os ativistas culturais da terra de Zé da Luz”.

O poeta Sander Lee, da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, disse que esse contato haverá de frutificar e desenvolver novas ideias e projetos importantes para a cultura local.  “Sementes espalhadas em solo fértil tendem a fazer crescer árvores frondosas e quando encontram semeadores com bons projetos e intenções favoráveis à comunidade em que vivem, as sementes são levadas por um estímulo extra para florescer”, acrescentou o Reitor Rangel Júnior, da UEPB.

Pesquisadora do IPHAEP ingressa na Academia de Cordel do Vale do Paraíba

piedadePiedade Farias, restauradora do Instituto Histórico e Artístico do Estado da Paraíba, poeta e escritora, será aclamada como sócia efetiva da Academia de Cordel do Vale do Paraíba. Piedade tem vários folhetos escritos, entre eles “Anayde, a história de uma mulher que foi na vida ultrajada”, e o livro “Estórias de se contar”.

Maria da Piedade Farias nasceu em Campina Grande, vive e trabalha em João Pessoa. Arquiteta e restauradora, tem graduação em Arquitetura e Urbanismo (UFPB), especialização em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (UFMG, Belo Horizonte). Entre 1984-1987 trabalhou na restauração do Convento de Santo Antônio/Igreja de São Francisco (Fundação Nacional Pró-Memória), tendo feito estágio em 1986, junto aos trabalhos de restauração da Igreja da Sé, em Salvador, entre outros projetos da área.

Para Sander Lee, Presidente da Academia de Cordel, a entidade terá muita satisfação em receber Piedade Farias como acadêmica, “pela riqueza de sua produção artística e também pelo que representa na área de restauração e preservação histórica, frentes onde atuamos principalmente em Itabaiana, sede da ACVPB”, afirmou.

Enfermeira é indicada ao Prêmio Leonilla Almeida de 2017

doriA enfermeira aposentada Dona Dorinha Correia, de Itabaiana, foi a primeira mulher a ser indicada pela Sociedade Amigos da Rainha para receber o prêmio Leonilla Almeida em 2017.

A enfermeira teve sua indicação pelo trabalho que realizou por toda vida, “com amor e cuidado”, principalmente no Hospital Filantrópico São Vicente de Paulo, em Itabaiana. Para a Comissão do Prêmio, a indicação de Dorinha Correia é um reconhecimento e valorização da profissão de enfermeira, profissionais muitas vezes sobrecarregados com jornadas de trabalho exorbitantes, plantões cansativos e condições de trabalho nem sempre favoráveis, mas, mesmo assim, são pessoas que se doam pelo bem estar do próximo.

O prêmio Leonilla Almeida é entregue anualmente a mulheres que tenham se destacado pela dedicação à sua comunidade, na área social ou cultural. A solenidade de entrega acontecerá em março de 2017 em local ainda a ser definido.